top of page
Buscar
  • contato98129

A Beleza das Histórias: A Escrita como Faca


Cortante e poderoso

Annie Ernaux usa palavras simples, narrativas domésticas, e um escrita avassaladora. Seu texto cortando e certeiro nos emociona todas as vezes. Essa voz forte se faz novamente presente e, “ A escrita como faca e outros textos“.

Esta reunião de textos promove um mergulho em sua biografia e obra. Todavia, não fica só na vida cotidiana. O mergulho nos permite acessos ao pensamento da escritora, que deu novo brilho à relação entre política e literatura ao revolucionar o modo de contar a própria história.

“Talvez tenha sido assim que vinguei minha raça, sendo uma mediadora entre a opacidade do mundo social e as pessoas que me leram. Vingar simbolicamente.”

Desvendando essa obra tão profunda, já de cara no primeiro texto, “Vingar minha raça” ela insere uma valiosa síntese de seu percurso e de suas motivações e elenca os principais aspectos de seu projeto literário. Na sequência, esmiuça anos de trajetória em “A escrita como faca” (2003), entrevista concedida ao longo de meses para o escritor francês Frédéric-Yves Jeannet em que responde com sinceridade e precisão sobre sua experiência como escritora. Ernaux dá detalhes dos conceitos marcantes de sua obra e comenta, por exemplo, o que chama de “postura de escrita”, o método de exploração interior e exterior, social e individual que garante que o ato de escrever seja sua arma, como uma faca.

Por fim, “Retorno a Yvetot” (2012) é uma conferência dada por Ernaux na pequena cidade onde viveu com os pais até se mudar para cursar a universidade. Ao contar sobre sua infância e os primeiros contatos com a leitura e a escrita em um ambiente de penúria econômica, ela entrelaça memória autobiográfica e reflexão sociológica, explicitando com profundeza a forma como experimentou a desigualdade social no espaço urbano e nas dinâmicas da cidade. Fotos e outros documentos pessoais selecionados por Ernaux fecham a coletânea.

A visão da literatura como um sistema de poder, o processo que a levou a abandonar a ficção para escrever sobre a “classe dos dominados”, a importância da experiência como professora, o autorreconhecimento como “trânsfuga de classe” e a relação com seus diários e com a sociologia, a psicanálise, a fotografia, a política: são inúmeros os temas que tornam a leitura deste livro — repleto de aforismos e frases lapidares — uma oportunidade preciosa de conhecer a admirável visão de mundo de uma das maiores escritoras do nosso tempo. E de outros que ainda estão por vir...

“Se eu tivesse uma definição para a escrita, seria esta: descobrir, ao escrever, o que é impossível de descobrir por qualquer outro meio, fala, viagem, espetáculo etc. Nem pela reflexão por si só. Descobrir alguma coisa que não existe antes da escrita. Aí que está a fruição — e o terror — da escrita, não saber o que ela faz aparecer, acontecer.”

TÍTULO: A escrita como faca e outros textos

AUTORA: Annie Ernaux

EDITORA: Fósforo



0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page