A VOZ DE BRUNA TAVARES

Maquiagem é uma máscara que encobre o rosto, dando à face escondida outra personalidade. Quando a menina Bruna Tavares descobriu a maquiagem ela era ferramenta para transformar o ator no personagem, nos palcos de teatro de Campinas, interior de São Paulo.

A maquiagem e o teatro ajudaram a menina tímida a ampliar a dimensão de si mesma. Na adolescência vieram os sonhos, as descobertas, mas o rosto era o mesmo, de menina mais nova do que os 18 anos que a carteira de identidade atestava. A maquiagem, antes teatral, artística, virou a máscara que dava a ela a idade real.

Foi com essa mesma cara de menina que Bruna Tavares entrou na faculdade de jornalismo. Saiu de lá com muito conhecimento na bagagem, com ideias fervilhando na cabeça e um sonho no coração: ser jornalista de beleza. Mas as conquistas não vinham junto com o diploma. E ela tinha consciência disso. “Eu não tinha portfólio, queria fazer network, mas não sabia como e me sentia inferiorizada por isso. Queria mostrar que sabia escrever sobre o tema, mas não tinha contatos para me ajudar. Então criei o blog porque eu não tinha voz,“ resume ela. O “ blog” era nada menos que Pausa para Feminices, apontado como um dos melhores do país.  O blog virou sua voz.

Das páginas virtuais o sonho se fez real. Bruna já mostrava a que veio a esse mundo. A linguagem solta, acessível, divertida, abria as portas do mercado de beleza a quem ousava buscar por ele. E para cumprir com afinco seu papel ela passou a criar tutoriais, ensinando quem não sabia usar os produtos sobre os quais ela escrevia. A menina tímida se expôs, delicadamente. Um olho aqui, uma sobrancelha acolá, os lábios desenhos com perfeição. Conquistou mais do que admiradoras. Conquistou o sonhado emprego na maior editora do Brasil, como repórter de beleza, claro!

Levantava antes do sol, cruzava estrada, avenidas lotadas. Escrevia, entrevistava, produzia. E ao voltar para casa, já noite escura, ainda tinha amor pra distribuir à família e aos leitores que se somavam  ao PPF.

Sendo o que sabia ser expôs na tela virtual seu conhecimento e carisma. E como há sempre algo que se move – e nesse caso  não é para trás, cresceu junto com a internet. Recebeu convite de uma marca de cosméticos nacional para criar o próprio batom. Ousou na escolha da cor, um rosa com tons de salmão, pensando em, com ele, ter apenas o suficiente para não deixar suas memórias de beleza  perecerem sem registro. Ledo engano.

O batom nascido da intuição ganhou os blogs do Brasil, coloria as bocas das mulheres mais famosas. Caiu no gosto das brasileiras. E abriu portas para que outras bocas fossem coloridas por Bruna Tavares. Aos poucos ela fechou contratos com anunciantes, grandes marcas de cosméticos que queriam aliar seus produtos ao conteúdo dela.  E mesmo assim acumulava a responsabilidade do trabalho como repórter de revista, as delícias de ser mãe, os cuidados com a família. “ Eu estava sentindo falta de mim mesma” .

 

A prudência a obrigou a esperar a segurança chegar junto com os bons contratos. E só aí sentiu a dor da perda ao abrir mão do tão sonhado cargo na revista. Embarcou no desejo de ampliar os horizontes do PPF com tanta convicção que ninguém ousava duvidar. E a segurança  se disseminou. Bruna virou figura reconhecida. Estabeleceu parcerias com outras marcas de beleza, vestuário, acessórios para celulares, ampliou sua própria linha de maquiagens. Voava cada vez mais alto e o combustível para cada voo não vinha só dos cachês e anúncios.  Eram as palavras que a motivavam mais. A escrita dela ecoava na vida de outras mulheres.

“Todos os dias recebo comentários de pessoas dizendo que se inspiram em mim, que redescobriram sua autoestima. Até mesmo blogueiras me dizem ter se inspirado em mim. Fico feliz. Sempre tento trabalhar assim: seja você mesma ”, alegra-se.

Bruna ainda não se acostumou à fama. Ainda mede os momentos certos de expôr sua imagem e vida pessoal. Ainda se permite ter olhos brilhando quando alguém se diz inspirada por ela. “Por muito tempo  me preocupei que iria fazer um trabalho fútil. Não  queria isso, mas o coração que coloquei no meu trabalho fez com que virasse algo maior. Não é maquiagem, é algo que transforma autoestima das pessoas”, explica.

Bruna não acorda se achando linda todas as manhãs. No dia a dia nem abusa da maquiagem. De mãos dadas com sua legião de fãs descobriu um amor próprio que estava esquecido. Descobriu que um batom tem outros poderes, além de pintar os lábios.

 “É  uma luta diária alimentar a autoestima. Maquiagem ajuda muito. Você para para se olhar no espelho, conhecer seus traços, defini-los, destacá-los. É  um momento seu. A autoestima vem do que sou, do que conquistei.  Eu ser reconhecida por algo muito além de beleza é maior do que qualquer coisa estética. Me toca mais, me preenche mais.”

Bonita assim ela nem precisava de maquiagem.